Google+ Followers

sexta-feira, 27 de maio de 2016






MEA CULPA

Eu também sou uma assassina!

Foi nesse julgamento triste e célere
Entre quinta e sexta feira
Que vi castigar o Nazareno de dois mil anos
E lavando as mãos na água de Pilatos
Deixei-o crucificar na praça dos enganos…

Não o defendi  das bestas e dos facínoras
Mea culpa! Mea culpa!
Sou a reincidente de tantos anos.
Deixei uma mãe de rosto triste e descaído
A chorar lágrimas de sangue em tantos panos…

Disse o Nazareno que era Rei, de outro mundo,
E que em nome do Pai desceu à terra,
Para falar dos homens e de Deus,
Aos rostos tristes dar visão,
E em talhas de água verter o vinho
Multiplicar os peixes e o pão...
Que crime cometeu o Nazareno?
Oh! Mea culpa!
Também sou uma assassina sem perdão!
    
          
Anabela Coelho


https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif