Google+ Followers

quarta-feira, 28 de outubro de 2015






Estrela da Manhã




Luzeiro da noite, viajante dos céus
Guardiã dos sonhos de sombra ausente
Lar ancestral dos primevos redentores
Luz esculpida na matriz de Deus
De cada aurora és sempre a primeira
Musa incandescente de poetas e trovadores
Em teu colo adormecidos, e sempre renascidos


A.



segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Ainda na vibração do Mar...


Sophia de Mello Breyner dizia que metade da sua alma era maresia…
Eu penso que maresia é a musa que entra nos nossos sentidos e aí se aloja para sempre.


Mare_sia

É urgente imitar o mar
Que sem noção de mal
Derruba os muros que cerceiem a sua liberdade

Ser vaga alterosa
Que remove as crostas do silêncio, do conformismo
Resgatar, o irremediavelmente perdido

Mar é o invicto cavaleiro do tempo
Purificador, celeiro fecundo
Nunca conquistado ou a ferro marcado

O mar não é algoz ou tirano
De Homero a Camões
É a esteira da história
Onde o homem se descobriu

É urgente

Ser Mare no feminino
Ternura, quebranto…e braveza
Que não é fúria nem é pranto
Mas a doce cadência com que embala
As almas que em si adormeceram


Maria Adelina



7 Outubro 2015

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Vamos lá seguir a receita de Pablo Neruda?






O menino não sabe ler

Mas as palavras soltam-se das páginas

Porque ele acredita nelas…

Além do som que as solta

Como se de pássaros se tratasse

Há uma cadência habitada de sonho

E do olhar do menino

Desprende-se a luz encantada da primavera…



Teresa Queirós Ferreira



Porto do Coração

quinta-feira, 8 de outubro de 2015







Um novo amigo fez-me pensar no mar
Questionar lá no fundo
Estou quase lá
Se Deus é o ar
Jesus é o meu mar
Estou quase lá
Mas nao sei o que vou descobrir ao questionar
Quando mergulho contemplo
Acho o fundo tão parecido com o céu mas mais “mundano”,
Mais próximo de nós que estamos aqui
Será mesmo que basta esticar o braço , abrir a mão e descobrir
Estou quase lá
Se um dia lá ficar não fiquem tristes
Voltei a casa


Alga medusa
Fev2012










Ecos da nossa respiração



Rendilhado de roxo
gemadas de esponja e
estrelas tão sossegadas na
sua preguiça de se deixar estar,
jorros de luz por água dentro
espalhando especiarias marinhas
que cintilam tornando a densidade ultraleve…
E nós intrusos, deliciados em silêncio,
cúmplices com os elementos da grande
festa pictórica… púrpura; verde-esmeralda e amarelo
cornucópias em espiral, movendo-se lentamente…
elipses em forma de conchas e os guardiões barrigudos
nas suas patrulhas sôfregas, vasculhando cá e lá o fundo do mar
E sempre os ecos da nossa respiração,
no silêncio flutuante em que estamos
sem querermos perguntar se sentimos medo, êxtase, fascínio ou algo mais


Alga Medusa
Agosto 2010




sábado, 3 de outubro de 2015

As Estrelas e o Mar






As estrelas e o mar


Com quantas estrelas se faz um firmamento?
Há aquelas que de tão próximas nos tocam o coração
E as tímidas, que encobrem seu imenso esplendor
As peregrinas, que deixam pegadas eternas
Umas tão pequenas como pupilas cor de rubi
Outras grandiosas, espelho de olhares apaixonados
Algumas são tão sublimes como uma sinfonia
Ah…E não esqueçam as estrelas-do-mar
O mar…Quem assim o fadou?
No seu bojo sortudo e feliz todas se encontram
As do céu, e aquelas, cujo olhar nele desagua



Maria Adelina