Google+ Followers

domingo, 22 de fevereiro de 2015

EM CIMA DO SOL








Em cima do sol, havia nuvens
Desvairadas, numa arrelia sem tempo
Prontas a rebentar em zaragata
Capazes de tapar o sol
Se descessem
Mas não desceram
Assustadas, fugiram para sul.


E o sol perdeu altura
Ficou mais manso
Sem cobertura de chuva
Ergueu os raios
Rejubilou.

Deitou-se em cima do mar
Numa almofada de espuma.

Diante de nós
Acordou criança
A esfregar os olhos
A balbuciar
Um doce
Deitado ainda
Em lençóis de maresia
Alvorada
Fresca.

E nós, ali.
O nosso sol nos braços
Nos abraços
Sôfregos
Famintos
Apressados
Em orvalhadas
Meninas
Amando
Um sol
O nosso sol.


Aida Araújo Duarte