Google+ Followers

sexta-feira, 14 de abril de 2017

A Yeshua




A Yeshua

Naquela tarde distante
Em que o céu escureceu
Para sempre nos deixou
O legado das alvoradas

No preciso momento
Em que tudo parou
Em simbiose perfeita
Com todos se identificou

Sua entrega abriu o portal
Aos caminhos feitos de amor
De alto a baixo, o véu fendeu
Para o conhecimento jorrar

E sua voz ecoa nos tempos sem fim

“Sou a Água da Vida que corre em ti
Sou o brilho do teu olhar quando sorris
Sou o arco da tua mão quando dás
Sou o calor do teu gesto de amor
Eu Sou, sempre em Ti
Não te esqueças Tu, de Mim”


Do livro: Hieróglifos do Cosmos