Google+ Followers

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Natal - Álvaro Lima




NATAL

Quando se acende a luz do verdadeiro Natal?
A luz do sorriso de uma criança
nos que dormem em lençóis, vincados, de relento,
quando acedemos essa luz da caridade e da mudança.
Quando os que passeiam na revolta,
cheguem á doçura da paz.
Os que suportam o calvário da dolência,
sintam o coração cheio de amor.
Quando aos que semeiam a ingratidão,
levamos a ternura de uma flor
e a semente onde não germina solidão.
E nas pegadas, sulcadas, de amargura,
levamos o vento, bom, da esperança.
E quando ao cansado velhinho,
que se perdeu dos anos e do caminho
o escutamos sem pressa, ao ritmo do seu coração
na certeza que o deixemos mais vivo
e mais leve na solidão.
Ah! Quando a palavra é um dom
e toma o caminho, sábio, das parábolas,
o Natal é paz, o Natal é amor!

Vestem-se de cor as cidades, as vilas e as aldeias.
Nos lares, respira-se o aroma do pinheiro
colorido com os tons da imaginação,
com a essência e a cor de cada alma.
Na lareira, o lume ilumina e aquece
a ceia farta, o espírito e as memórias.
As crianças exultam de alegria
com a chegada, esperada, do pai Natal.

O Natal é esperança renovada
que alimenta cada coração
uma suave mística sempre lembrada
no caminho de cada geração.

Álvaro Lima